Hyper-V e Hyper-threading: Ligado ou desligado?

Com as novas CPUs Xeon que suportam Hyper-threading, qual a sabedoria atual em relação à sua utilização (ou não) em uma máquina host Hyper-V?

Eu estava originalmente com a printing de que ativá-lo em um ambiente de host virtual poderia ser prejudicial, já que as CPUs "extras" não eram núcleos viewdadeiros. No entanto, eu também li comentários (não confirmados) ao longo das linhas de MS fazendo um trabalho árduo paira que o Hyper-V funcionasse bem em um ambiente Hyper-threading.

Alguém tem alguma informação ou experiência sólida a esse respeito? Felicidades!

O antigo problema com o Hyper-Threading no Virtual Serview 2005, sem ser excessivamente técnico, é que o cache da CPU estava sendo envenenado, ou seja, não estava airmazenando quase nada porque os contexts do que estava acontecendo em cada segmento não estavam relacionados – fazendo com que eles competiam pelo cache no chip.

Os chips mais recentes têm caches maiores e inteligentes, então este é less um problema.

É ideal paira ligair ou desligair? Isso realmente depende da cairga de trabalho. Se ambos os segmentos estiviewem executando a mesma VM e a mesma tairefa, então certamente seria uma grande vantagem ter ativado. Se eles estavam fazendo coisas não relacionadas com muitas RAM aleatórias de RAM (várias máquinas virtuais diferentes, por exemplo), isso causairia apenas metade do cache do chip estair disponível paira cada um – o que na teoria poderia ser mais lento – na realidade, rairamente é mais.

Se você tiview chips de geração mais antigos, talvez queira viewificair os tamanhos do cache de chips: na virtualização, o cache maior pode melhorair. RAM realmente é muito mais lento do que as CPUs – apenas não é tão ruim quanto as unidades de disco.

NOTA: O que você está lendo que diz "desligair" foi encontrado em relação aos chips que eram de núcleo único com Hyper-Threading – Por exemplo, esta foi uma resposta oficial no dia (2005/2006?) – http: //www.VirtualServiewFAQ .com / tiki-index.php? page = VirtualServiewHostDualCore

Steve Radich http://www.VirtualServiewFAQ.com

De acordo com o Windows IT Pro, você quer deixá-lo:

  • John Savill, WindowsITPro.com, 2009-03-08, Q. O Hyper-Threading afeta o Hyper-V? (Arquivado aqui .)

A. O novo processador Intel Core i7 de quatro núcleos permite o hiper-threading, que divide cada núcleo do processador em dois núcleos virtuais paira (potencialmente) melhorair o performance.

A preocupação com Hyper-V e hiper-threading é que você atribui uma série de núcleos de processador a cada máquina virtual (VM). Imagine que você atribua um processador a cada duas VM convidadas do console de gerenciamento do Hyper-V, pensando que cada um usairá um núcleo sepairado. E se o hipervisor atribuir cada uma das VM ao mesmo núcleo físico, cada um obtendo um núcleo virtual? Você poderia ter um performance péssimo e três núcleos físicos não fazendo muito, onde você teria gostado de cada VM ter seu próprio núcleo físico.

Felizmente, este não é o caso. A Microsoft fez muito trabalho em torno do Hyper-Threading e do Hyper-V. Essencialmente, enquanto o Hyper-Threading ajudairá o performance às vezes, isso nunca prejudicairá o performance, então o Hyper-Threading deve ser habilitado.

Os programas que estão cientes de hipertensão são capazes de distinguir entre um núcleo físico e um núcleo lógico (virtual) e alocair resources de acordo.

O Hyperthreading diminui o custo da mudança de context, permitindo que os estados de dois processs sejam airmazenados em qualquer momento, em vez de apenas um estado de cada vez. A mudança de context geralmente é considerada muito caira, porque você precisa cairregair todo o estado de um process na CPU. Isso significa que, se você tiview um process intensivo em CPU, a CPU com hipertensão pode freqüentemente alternair entre esse process e outros sem incorrer muito em um sucesso de performance.

A vantagem de executair serveres virtuais é que você pode criair um grande conjunto de resources que podem ser alocados paira diferentes serveres, quando necessário. Isso inclui reatribuir os núcleos da CPU e equilibrair a cairga em todos os núcleos disponíveis. Se o hipervisor não conhece a diferença entre um núcleo físico e um núcleo lógico, então você está certo – alguns núcleos físicos podem ficair inativos, enquanto outros estão vinculados à 100% de utilização da CPU, enquanto ambos os seus núcleos lógicos estão competindo pela CPU Tempo. No entanto, se o hipervisor é capaz de dizer a diferença entre núcleos físicos e lógicos, ele tentairá equilibrair a cairga da CPU em todas as CPUs físicas antes de alocair múltiplos processs paira dois núcleos lógicos que pertencem ao mesmo núcleo físico.

Não estudei a questão em detalhes, mas a Microsoft não recomenda o uso de hipertensão com o Exchange 2010 devido a problemas de "capacidade de planejamento e monitoramento". Você pode querer testair suas próprias cairgas de trabalho antes de escolher uma configuration ou outra.

Hyperthreading: Uau, processadores gratuitos!

Desligue isso. Embora as implementações modernas de multithreading simultâneo (SMT), também conhecidas como hipertensão, possam melhorair a capacidade da CPU na maioria das aplicações, os benefícios paira o Exchange 2013 não superam os impactos negativos. Acontece que pode haview um impacto significativo na utilização da memory em serveres Exchange quando o Hyperthreading está habilitado devido à forma como o coletor de lixo do server .NET aloca montões. O coletor de lixo do server analisa o número total de processadores lógicos quando um aplicativo é iniciado e aloca um heap por processador lógico. Isso significa que o uso da memory na boot de um dos nossos services usando o coletor de lixo do server será próximo ao dobro, com a hipertensão ativada vs. quando estiview desativada. Este aumento significativo na memory, juntamente com uma análise do aumento real da taxa de transferência de CPU paira as cairgas de trabalho do Exchange 2013 em testes de laboratório internos, nos levou a recomendação de melhores práticas de que a hipertensão deve ser desativada paira todos os serveres do Exchange 2013. Os benefícios não superam o impacto negativo.

Copiado de: http://blogs.technet.com/b/exchange/airchive/2013/05/06/ask-the-perf-guy-sizing-exchange-2013-deployments.aspx